Uma coisa pensa o cavalo Outra quem está a montá-lo

.posts recentes

. FORA DA BOUÇA QUE A BOUÇA...

. MIGUEL DE VASCONCELOS, ES...

. TAIPAS: CAPITAL, TRÊS PON...

. MALHARAM NO TINO

. COM PAPAS E BOLOS

. O ARMANDO ANDA DESPIDO E ...

. PIMENTA NO C* DOS OUTROS ...

. ANDAM A DEITAR FORA O NOS...

. OS BOYS CÁ DA TERRA

. GAMADO

.arquivos

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

Sexta-feira, 2 de Novembro de 2007

QUE PAPEL PARA UM PRESIDENTE DE JUNTA DE FREGUESIA?

A postura assumida pelo autaca das Taipas relativamente à câmara do concelho, não sendo nova nem original no contexto nacional, coloca em cima da mesa o tema do papel das juntas de freguesia.

 

Deixando de lado as questões relacionadas com as competências e atribuições estabelecidas por lei, porque imperativas, o que mais importa quanto a mim é saber como são exercidas e até onde podem ir, se interpretadas à luz do critério da defesa dos interesses das populações.

 

Observando o que se passa à nossa volta e não apenas no município de Guimarães, concluimos pela existência de duas atitudes que destoam da generalidade dominante: o seguidismo amorfo de uns e a rebeldia permanente de outros, em contrates óbvio com a maioria que usa os meios conferidos por lei de forma racional, lógica e despreconceituada.

 

Entre nós, a mandatos caracterizados pela ausência de afirmação, sucedeu o seu oposto, um mandato fortemente personalizado que vive de e para o confronto político.

 

Uma junta não tem de ser contra quem manda na câmara para conseguir atrair obras, para ter uma fatia maior do bolo do investimento.

 

E se não tem de estar sempre contra e disso dar prova pública, também não é certo e muito menos é seguro que recebe mais quem mais se cola ao Poder.

 

As relações entre uma junta e a sua câmara têm de basear-se em regras e princípios claros, como sejam o do respeito mútuo, o da subsidiariedade e a noção exacta de que o concelho é maior que a soma das freguesias.

 

Nas Taipas, a maioria que preside à Junta, definiu-se ainda antes das eleições como força de oposição à maioria que previsivelmente ganharia a Câmara. Essa estratégia pode fazer sentido numa lógica separatista, mas é contraprudecente na falta do concelho. O resultado foi e será a insatisfação, a desilusão, a frustração por quatro anos desperdiçados.

 

Tudo seria radicalmente diferente se a actual maioria da Junta, sem abdicar do seu programa e do seu pensamento, soubesse reivindicar em vez de exigir com ignorância atrevida. Nâo deixava de ser quem é se desde o início soubesse defender os seus muitos argumentos.

 

Talvez a Junta se sinta bem consigo mesma, porque está a cumprir a estratégia que delineou, e por isso desvalorize os sinais que chegam da blogosfera.

 

 

 


publicado por igrejavelha às 14:31

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


.links

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds